Santo Agostinho – Oração, História, Obras e Frases


Biografia

Aurélio Agostinho, conhecido como Santo Agostinho de Hipona foi um importante bispo cristão e teólogo. Nasceu na região Norte da África em 354 e faleceu em 430.

Em sua formação teve grande influência do maniqueísmo, que era um sistema religioso que unia elementos cristãos e pagãos.

Santo Agostinho ensinou retórica nas cidades italianas de Roma e Milão. Tornou-se Bispo, atuando em Hipona. Escreveu vários sermões sagrados.

Santo Agostinho pesquisava a vida levando em conta a psicologia e o conhecimento da natureza. No entanto, o conhecimento e as ideias eram de origem divina.

Para ele, nada era mais importante do que a fé em Jesus e em Deus. A Bíblia deveria ser investigada, levando-se em conta os conhecimentos naturais de cada período. Defendia também a predestinação, onde afirmava que a vida de todas as pessoas era traçada antes por Deus.

As obras de Santo Agostinho influenciaram o pensamento teológico da Igreja Católica durante a Idade Média.


A morte do Bispo foi durante um ataque dos vândalos (povo bárbaro germânico) ao norte da África.

Pensamento

Antropologia cristã

Santo Agostinho foi um dos primeiros escritores cristãos latinos a adotar uma visão clara referente á antropologia teológica. Isso ocorreu pelo fato de defender o ser humano como a junção sublime de duas substâncias, o corpo e a alma.

Um dos fundamentos de Santo Agostinho para justificar essa unidade é o matrimônio. Ele não se preocupava com Platão e Descartes, em detalhar a metafísica envolvida nesta união.

Bastava para ele aceitar que os homens eram formados por duas substâncias metafisicamente distintas. Essas substâncias seriam a alma superior ao corpo. Assim como outros padres, Agostinho condenava o aborto, embora aceitasse a diferença entre fetos “formados” e “não formados”.

AstrologiaSanto Agostinho

Os contemporâneos de Agostinho confiavam que a astrologia era uma ciência exata e genuína. Todos antropólogo era considerado erudito e chamado mathemathici.

Agostinho se sentiu atraído por esse tipo de literatura jovem, principalmente pelos que diziam prever o futuro. Quando se tornou Bispo, ele dava conselhos aos fiéis para evitar astrólogos que combinavam ciência com horóscopos.

Criação

Em “Cidade de Deus”, Agostinho negou tanto a imortalidade da raça humana defendida pelos pagãos quanto as ideias sobre “eras” comuns na sua época (como as pregadas por alguns gregos e pelos egípcios) e que divergiam dos escritos sagrados da Igreja.

Santo Agostinho defendia que tudo no universo foi criado ao mesmo tempo por Deus. Ele negava que seria durante os sete dias do calendário como relatado em Gênesis.

Seu argumento baseava na estrutura de seis dias para a criação tinha ali um sentido espiritual e não físico. Ele também acreditava que o pecado original tenha causado modificações estruturais no universo e chegou a propor que os corpos de Adão e Eva já teriam sido criados mortais antes da “queda”.

Finalmente, Agostinho admite que a interpretação da história da criação é complexa. Ele lembra que devemos estar dispostos a mudar nossos conceitos conforme novas informações forem surgindo.

Eclesiologia

Agostinho criou sua doutrina sobre a Igreja principalmente como reação à polêmica donatista. Para ele existia apenas uma Igreja, porém dentro dela tinha duas realidades.

O aspecto visível e o invisível. O primeiro seria o corpo institucional definido por Cristo na terra que brada a salvação e controla os sacramentos. Enquanto o segundo é o corpo invisível dos eleitos, composto pelos fieis genuínos, conhecido apenas por Deus. A Igreja, era composta por “trigo” e “joio”, pelos bons e pelos ruins, até o fim dos tempos.

A eclesiologia de Agostinho foi constituída na “Cidade de Deus”. Nessa obra, ele comtempla a Igreja como uma cidade ou um reino celestial liderado pelo amor que triunfará no final sobre todos os impérios terrenos governados pelo orgulho. Para Agostinho, os bispos e padres da Igreja são os sucessores dos Apóstolos. Ele afirmava que essa autoridade era averiguada por Deus.

Escatologia

Agostinho acreditava que Cristo iria de fato inaugurar um reino de 1.000 anos na terra antes da ressurreição geral. Porém rejeitou depois a crença afirmando que ela era “carnal”.

Agostinho foi o primeiro teólogo a expor uma doutrina sistemática do amilenialismo. A Igreja medieval levantou seu sistema escatológico sobre o amilenialismo de Agostinho, onde Cristo governa a terra espiritualmente através do triunfo da Igreja.

Agostinho orientou que o destino eterno da alma é marcado na morte. De modo que o fogo do purgatório sobre os que estão no estado intermediário purifica apenas os que morreram em comunhão com a Igreja. Essa hipótese que deu origem a diversas outras teologias consecutivamente.

Pontos de vista epistemológicos

Preocupações epistemológicas atravessaram o desenvolvimento intelectual de Agostinho. Seus primeiros diálogos refletem o uso que ele fazia de argumentos céticos e demonstram o desenvolvimento de sua doutrina da iluminação interior.

Em oposição a Platão e outros filósofos, Agostinho admitiu a centralidade do testemunho para o conhecimento humano. Ele dizia que o que os outros nos contam pode nos trazer novos conhecimentos mesmo se não tivermos razões para acreditar em seus relatos.

Guerra justa

Santo Agostinho De Magistro

Agostinho acreditava que os cristãos deveriam ser pacifistas como postura pessoal e filosófica. Porém, a passividade diante de uma grave injustiça que só pudesse ser impedida com violência seria um pecado.

Apesar de não informar as condições necessárias para a guerra, Agostinho ressaltou o termo “guerra justa” em sua obra “Cidade de Deus”.

A busca pela paz deve incluir a opção de lutar para preservá-la á longo prazo. Uma guerra justa não pode ser antecipada, deve ser defensiva e alcançar a volta da paz.

Trindade

Agostinho se esforçou para entender o mistério da Santíssima Trindade. Uma de suas principais obras, “Sobre a Trindade”, é o resultado deste esforço.

Com vários anos de reflexão, concluiu que nós, devido à nossa mente limitada, jamais poderíamos entender e assimilar a dimensão de Deus somente com as nossas próprias forças e o nosso raciocínio.

O entendimento pleno e definitivo deste enigma só é possível quando, na vida eterna, nos encontrarmos no Paraíso com o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Mariologia

Apesar de Agostinho não ter desenvolvido uma mariologia independente, suas afirmações sobre Maria ultrapassam em número e em quantidade as dos autores anteriores.

Agostinho defendeu Virgem Maria como a “Mãe de Deus” e devido sua virgindade, é cheia de graça. Ele também afirmou que a Virgem Maria “concebeu virgem, deu à luz virgem e permaneceu virgem para sempre”.

Conhecimento natural e interpretação bíblica

Agostinho relata que o texto bíblico não deve ser analisado literalmente e sim simbolicamente se ele contradisser o que conhecemos pela ciência ou pela razão.

Cada passagem da bíblia tem um motivo, uma razão e por isso as vezes as passagens são representações.

Pecado original

Agostinho acreditava que o pecado original de Adão e Eva foi ou um ato de estupidez, que prevaleceu pelo orgulho e desobediência a Deus.

Para ele, a vaidade, fez com que comessem o fruto da árvore, levando-os assim ao fracasso em reconhecer e respeitar o mundo como fora criado por Deus, com sua hierarquia de seres e valores.

A doutrina de Agostinho era que a sexualidade humana havia sido ferida juntamente com o resto da natureza humana e precisava da redenção de Cristo. Para Agostinho, o pecado de Adão é herdado por todos os seres humanos.

Predestinação

Alguns críticos argumentam que Agostinho ensinava que algumas pessoas estavam predestinadas por Deus a serem salvas por um decreto eterno e soberano que não se baseia na vontade e nem nos méritos do homem.

A graça que Deus concede é irresistível e resulta na conversão. Deus também concede àqueles que salva o dom da perseverança para que nenhum dos escolhidos de Deus possa se afastar ou cair em tentação.

Para a Igreja Católica, a doutrina de Agostinho é sólida com a do livre arbítrio. Ela afirma que ele disse várias vezes que qualquer um pode ser salvo se quiser. Mesmo Deus sabendo quem será salvo e quem não será, sem chance de alguém que estava destinado a se perder ser salvo. Este conhecimento significa o conhecimento perfeito de Deus sobre como os homens irão escolher livremente seus destinos.

Teologia sacramental

Também como reação aos donatistas, Agostinho criou uma distinção entre “regularidade” e “validade” dos sacramentos. Os considerados regulares é os que são realizados pelo clero da Igreja Católica e os realizados pelos cismáticos são considerados irregulares.

Agostinho tinha o entendimento do cristianismo primitivo sobre a presença real de Cristo na Eucaristia. Ele declarava que quando Jesus disse “Este é o meu corpo” era uma menção ao pão que ele tinha nas mãos e que os cristãos devem acreditar que o pão e o vinho são de fato o corpo e o sangue de Cristo, a despeito do que vêem seus olhos.

Sendo contra os pelagianos, Agostinho destacou a importância do batismo infantil. O seu argumento era da necessidade absoluta do batismo para a salvação.

Afirmações sobre os judeus

Ao contrário de certos movimentos cristãos, alguns dos quais negavam as Escrituras hebraicas, Agostinho afirmou que Deus tinha escolhido os judeus como um povo especial. Ele julgava que a dispersão do povo judeu pelo Império Romano como a realização de uma profecia.

Agostinho acreditava que os judeus se converteriam ao cristianismo no “fim dos tempos”. Ele argumentava que Deus tinha permitido que eles sobrevivessem como um aviso aos cristãos e como testemunhas de que o Antigo Testamento não havia sido inventado pela Igreja.

Sexualidade

Para Agostinho, o mal da imoralidade sexual não ocorria do ato sexual em si. Mas sim das emoções que o acompanham. Em “Sobre a Doutrina Cristã”, ele compara o amor, que é a realização por conta de Deus, e o desejo, que não tem a ver com Ele.

Para Agostinho, o amor conveniente acontece quando se nega o prazer egoísta e se força o desejo corporal em louvor a Deus. Ele relatou que as virgens piedosas que foram violentadas durante o saque de Roma eram inocentes por que não tiveram a ideia de pecar.

A visão de Agostinho sobre os sentimentos de origem sexual como pecaminosos afetaram sua interpretação sobre as mulheres, mas ele considerava, por exemplo, que a ereção masculina era um pecado, apesar de ser involuntária. A solução encontrada  foi impor o controle sobre ela nas mulheres e na sua prática de influenciar os homens.

As leis e tradições estabelecidas sobre as crenças de Agostinho referente a sexualidade e as mulheres permanecem a exercer certa influência sobre as posições doutrinárias da Igreja Católica em relação ao papel das mulheres.

Filosofia de ensinoSanto Agostinho A cidade de Deus

Agostinho é uma figura influente na história da educação e uma de suas primeiras obras, De Magistro (“Do Professor”), contém muitos de seus pensamentos sobre o tema. Durante toda a sua vida, suas ideias foram se transformando e encontrando novos caminhos.

Agostinho acreditava que a educação era uma busca constante por compreensão, significado e verdade. Deixando sempre aberto o espaço para o questionamento, o desenvolvimento e a mudança.

Agostinho criou o estilo “contido” de ensino. Ele proporcionava a percepção completa de um pensamento pelos estudantes através de táticas simples:

  • Não bombardeá-los com matéria em excesso;
  • Foco em um tópico por vez;
  • Ajudar na compreensão do tema ao invés de avançar a matéria rapidamente;
  • Antecipação de questionamentos;
  • Ajudar na resolução de dificuldades e na busca pela solução dos problemas;

Obras

  • Confissões (397-398).
  • A Cidade de Deus (413-426).
  • Da Trindade (400-416).
  • Retratações.
  • De Magistro (389).
  • Conhecendo a si mesmo.

Influência

Tanto em sua discurso filosófico quanto na teológica, Agostinho foi influenciado pelo estoicismo, platonismo e neoplatonismo. Particularmente pela obra de Plotino, o autor das “Enéadas”, possivelmente por mediação de Porfírio e Vitorino (como defendeu Pierre Hadot).

Agostinho também foi influenciado Virgílio (conhecido por suas obras sobre a linguagem), Cícero (conhecido por suas obras sobre a argumentação) e Aristóteles (principalmente a “Retórica” e a “Poética”).

Tomás de Aquino foi  influenciado por Agostinho. No tema do pecado original, Aquino declara uma visão mais positiva do homem que a de Agostinho ao defender os poderes da razão, vontade e das paixões do homem caído mesmo depois da queda.

Cultura popular

Agostinho foi interpretado por Dary Berkani no filme para televisão de 1972 “Augustine of Hippo”. Ele também foi interpretado por Franco Nero na mini-série de 2010 “Augustine: The Decline of the Roman Empire” e no filme de 2012 “Restless Heart: The Confessions of Saint Augustine”.

Bob Dylan gravou uma música chamada “I Dreamed I Saw St. Augustine” em seu álbum “John Wesley Harding”. O artista pop Sting homenageou as lutas de Agostinho contra o desejo na música “Saint Augustine in Hell” (“Santo Agostinho no Inferno”) que aparece no álbum de 1993 do cantor, “Ten Summoner’s Tales”.

Frases e Pensamentos de Santo Agostinho:Obra de Santo Agostinho

“Se dois amigos pedirem para você julgar uma disputa, não aceite, pois você irá perder um amigo. Porém, se dois estranhos pedirem a mesma coisa, aceite, pois você irá ganhar um amigo.”

“Milagres não são contrários à natureza, mas apenas contrários ao que entendemos sobre a natureza.”

“Se você acredita no que lhe agrada nos evangelhos e rejeita o que não gosta, não é nos evangelhos que você crê, mas em você.”

“Ter fé é acreditar nas coisas que você não vê; a recompensa por essa fé é ver aquilo em que você acredita.”

“A pessoa que tem caridade no coração tem sempre qualquer coisa para dar.”

“A confissão das más ações é o passo inicial para a prática de boas ações.”

“A verdadeira medida do amor é não ter medida.”

Oração a Santo Agostinho

Existem várias orações a Santo Agostinho, sendo uma das principais a citada abaixo (quando você se sentir sem coragem):

“Deus da vida, há dias em que a carga nos desgasta os ombros e nós nos sentimos esgotados

dias em que o caminho parece monótono e interminável,

e o céu cinzento e ameaçador;

dias em que nossa vida carece de música,

nosso coração está solitário e nossa alma perdeu a coragem.

Inunda o caminho com tua luz, te suplicamos;

dirige nosso olhar para onde o céu estiver cheio de promessas”.

Oração de Santo Agostinho, publicada no livro” Oraciones del mundo” de Juliet Mabey. (Traduzido e adaptado do espanhol para o português).

Curiosidades

Santo Agostinho ensinou a arte de argumentar nas cidades italianas de Roma e Milão.

Santo Agostinho em 395, passou a ser bispo, atuando em Hipona.

Escreveu vários sermões importantes. Em “A Cidade de Deus”, Santo Agostinho combate às heresias e a paganismo. Na obra “Confissões” ele fala da sua vida antes da conversão ao cristianismo.

Santo Agostinho observava a vida levando em consideração a psicologia e o conhecimento da natureza. Mas, o conhecimento e as idéias eram de origem divina.

Morreu supostamente em 28 de agosto de 420, durante um ataque dos vândalos ao norte da África.

Santo Agostinho é visto como o santo protetor dos teólogos, impressores e cervejeiros no dia 28 de agosto, dia de sua suposta morte.


Gostou desse artigo? Dê seu voto!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *